SP Escola de Teatro recebe Marcelo Veronez para show musical ao vivo

Ingressos já estão a venda no sympla

Foto: Alexandre Hugo


O ator, cantor, diretor de teatro e shows Marcelo Veronez estará realizando duas apresentações musicais seguidas na SP Escola de Teatro. O espetáculo é nomeado ‘Como Se Não Tivesse Acontecido Nada’ e traça paralelos entre pensamentos do período da ditadura e da contemporaneidade no Brasil.


O evento marca o retorno presencial do show que estreou em setembro de 2019, mas teve suas atividades interrompidas em março de 2020; quando já tinha passado pelos palcos do Galpão Cine Horto, do Festival Música Mundo e do La Movida Micro Teatro.


A sensação de continuidade da “vida normal” apesar dos absurdos diários e cotidianos norteia a discussão levantada pelo trabalho. Veronez buscou músicas de Marku Ribas, Milena Torres, Brisa Marques, Chico Buarque, Bertold Brecht, Davi Fonseca, e mais, para conduzir e formatar o roteiro do show-discurso. A direção de cena é do próprio Veronez e a direção musical dividida com Pedro Fonseca e Yuri Vellasco que também tocam o baixo elétrico e a bateria, Paulim Sartori completa o time sonoro,assumindo o piano e a guitarra. Marina Arthuzzi é a responsável pela iluminação, junto com Akner Gustavson.

FICHA TÉCNICA


Criação e Direção geral: Veronez

Direção de cena: Rafael Bacelar

Direção musical: Pedro Fonseca e Yuri Vellasco

Iluminação: Marina Arthuzzi

Técnicos: Akner Gustavson e Lucas Pradino

Banda

Baixo - Pedro Fonseca

Bateria - Yuri Vellasco

Guitarra - Moita

Violão e viola caipira - João Antunes

Efeitos sonoros - Barulhista


Marcelo Veronez


Marcelo Veronez nasceu em Belo Horizonte e criou-se em uma roça perto de Itamarandiba, pequena cidade mineira no Vale do Jequitinhonha com pouco mais de 30 mil habitantes. Logo mudou-se para Contagem, onde viveu por toda a década de 90 até no início dos anos 2000, retornando em 2007 para Belo Horizonte.

É formado pelo Teatro Universitário da UFMG (2003), com passagens pela Anthonio Escola de Canto e Primeiro Ato Centro de Dança. Em 2017, lançou o seu disco de estreia: Narciso deu um grito. O artista já trabalhou no espetáculo “Os Saltimbancos” de Chico Buarque, produzido pela Cia Odeon, pelo qual recebeu o Prêmio Sinparc como melhor ator coadjuvante.


Atualmente está no elenco da montagem de “Auto da Compadecida” de Ariano Suassuna, sob direção de Gabriel Vilela com o Grupo Maria Cutia de Teatro. Entre seus shows mais destacados estão “Não sou nenhum Roberto” em cartaz desde 2008, “Narciso deu um grito” do disco homônimo, e “Como se não tivesse acontecido nada”, que passou por espaços como o Galpão Cine Horto e A Autêntica, por convite do Música Mundo, até ser interrompido pela pandemia de Covid-19.


Foto: Divulgação


Veronez também é pesquisador do encontro entre teatro e música popular através do projeto “Rampa: treinamento cênico para a música”, que propõe uma conversa entre pesquisa e prática com artistas da música interessados no estudo do teatro, e conta com orientadoras como Cláudia Manzo, Luisa Bahia, Ernani Maletta, Luiz Rocha, Hugo da Silva, Babaya, Raquel Castro e Suely Machado (diretora e criadora do grupo Primeiro Ato).

O cantor já dirigiu trabalhos de destacados nomes da música de Minas, como Déa Trancoso, Josy Anne, Lamparina e a Primavera, Marina Machado, e também foi diretor artístico do bloco de carnaval Havayanas Usadas por três carnavais. Veronez se apresentou junto de Zezé Motta, Maria Alcina, Otto, Iconili, Julia Branco, Odair José e Elza Soares; desde 2016 é gestor da Gruta!, um dos mais importantes espaços da cultura underground e LGBTQIA+ de Belo Horizonte.

COMO SE NÃO TIVESSE ACONTECIDO NADA

Data: Dia 27 de Novembro

Horário: às 18h e 21h

Local: SP Escola de Teatro - Praça Franklin Roosevelt, 210 - Bela Vista

Ingressos: A partir de R$ 10,00 | Compre aqui