Ocupação Expedycto Lyma segue em cartaz na Galeria Olido

Exposição e leituras dramáticas fazem parte da homenagem ao octogenário artista

Foto: André Peres e Expedycto Lyma em Dois Nós Cegos no Oeste


Está em cartaz no Centro de Memória do Circo, na Galeria Olido no Largo do Paissandu, a Ocupação Expedycto Lyma, uma homenagem a Expedito Lima, artista circense que se encantou pela câmera, se tornou cineasta e realizou mais de 20 longas, sendo 10 em super-8. Uma marca que o coloca como o cineasta brasileiro com mais longas em super-8. Organizada pelo pesquisador Felipe Abramovictz, a Ocupação Expedycto Lyma segue em cartaz, com uma programação que inclui uma exposição e a leitura dramática de peças escritas por Expedito Lima.


Nascido em 1939 em Tietê e radicado em Tatuí, no interior de São Paulo, Expedito Lima realizou mais de vinte longas-metragens que estão sendo restaurados através do projeto Cinema é Sonho, que promove a Ocupação Expedycto Lyma, além do resgate da obra e trajetória do cineasta e artista circense. Este projeto está sendo realizado em uma parceria entre o projeto “Cinema é Sonho” e o Centro de Memória do Circo, e contemplado com o Proac de Apoio à Cultura.


Foto: Expedycto Lyma em Um Rambo Esculachado


Com longa trajetória no circo-teatro, Expedito foi dono de uma companhia, ator, dramaturgo, atuou como palhaço (quando recebeu a alcunha de Alemão e Polaco) e exerceu a profissão de marceneiro para garantir o seu sustento. A Ocupação Expedycto Lyma é uma homenagem a esse ator, produtor, cineasta e criador do Circo Theatro do Alemão, que percorreu o interior do estado de São Paulo na virada dos anos 1970 derramando causos de amor e traição, de mocinho e bandido, escritos por ele.


Após dificuldades para manter seu circo, ele formou um grupo teatral mambembe, até conhecer a câmera super-8. Maravilhado com a arte cinematográfica, produziu dez filmes entre 1979 e 1984, o que o torna o cineasta com mais longas em super-8 no país. Os longas eram exibidos em seu ‘pavilhão cinematográfico’, que circulava pelas zonas rurais. Depois, em VHS, fez mais de uma dezena de filmes entre 1996 a 2002.


Foto: Expedycto Lyma e André Peres em Dois Nós Cegos no Oeste


Expedito Lima é o brasileiro, o caipira que vai além de suas fronteiras geográficas e culturais. Munido da criatividade sem limites da tradição oral de seu povo e da perseverança do homem simples, ele logo cedo se transforma no artesão do imaginário caipira, no menestrel da gente da roça. Segue assim, com seu circo-teatro a encantar as praças do interior. Na mais fiel tradição do circo-teatro contracena com a mulher, com as filhas, o filho e parentes. E então conhece, pelas mãos de um amigo, a câmera de filme que pouco a pouco lhe toma o coração sonhador. Faz filmes de heróis a cavalo nos moldes do faroeste americano nos quais, porém, estabelece a cara de um cinema muito brasileiro, pobre nos recursos e riquíssimo na fantasia da narrativa, na coragem da ousadia. Expedito Lima é um exemplo forte do cinema brasileiro que precisa ser conhecido.


OCUPAÇÃO EXPEDYCTO LYMA

Quando: Até 31 de Julho

Local: Avenida São João, 473 - Centro

Ingressos: Gratuito