O impactante "E Nós que Amávamos Tanto a Revolução" estreia no Teatro de Arena Eugênio Kusnet

Com direção de Ewerton Frederico, espetáculo traz como pano de fundo a ditadura civil-militar


Ambientada na ditadura militar brasileira (1964-1985), a peça traz um confronto de ideias e debates entre os personagens. A peça é dividida em dois atos, realidade e memória, e apesar de ser contextualizada em 1968, a temática pode se encaixar perfeitamente com a contemporaneidade brasileira e internacional.


O tempo passou e, anos depois, o destino se encarregou de colocá-los frente a frente de forma surpreendente e violenta. A história se passa no ano de 1968, logo após a assinatura do AI-5. A ditadura civil-militar serve de pano de fundo para abordar a relação conflituosa e de consequências arrebatadoras entre os personagens.


Do alto dos edifícios, uma chuva de papéis picados inundam as ruas que estão cheias de gente que seguem firmes de braços dados unidas num único ideal: cantar a liberdade nos tempos revolucionários.


Ficha Técnica:

Dramaturgia e Direção: Ewerton Frederico

Elenco: Alcides Peixe e Antonio Eduardo Marques

Direção Artística: Gabriel Metzner

Sonoplastia: Gustavo Leles

Iluminação: Luiz Felipe Marcondes


E NÓS QUE AMÁVAMOS TANTO A REVOLUÇÃO

Temporada: De 18 de Março a 10 de Abril

Horário: Sextas e Sábados, ás 20h30 | Domingos, às 19h

Local: Rua Doutor Teodoro Baima, 94, República

Ingressos: R$ 30,00 (inteira) | R$ 15,00 (meia) | Compre aqui