Núcleo Barro 3 realiza pesquisa focada no fascismo

Em "Cartas a ele.", grupo apresenta work in progress online



Formado por artistas vindos do Instituto de Artes da UNESP e da SP Escola de Teatro, o Núcleo Barro 3 tem uma pesquisa fundamentada na investigação e criação dramatúrgica por meio da escrita de cartas. Em 2021, o grupo irá compartilhar o seu processo de pesquisa de cartas a ele. com o público por meio de uma série de atividades online. O projeto cartas a ele. foi contemplado pelo edital ProAC Expresso Lei Aldir Blanc Nº36 (2020) da Secretaria de Cultura e Economia Criativa do Estado de São Paulo. O Núcleo Barro 3 conta com a participação artistas convidados no elenco e dramaturgia desse projeto. A pergunta e a aula pública serão disparadores para criação de ações artísticas híbridas entre teatro e o audiovisual. Elas irão contribuir para que oito dramaturgos diferentes criem cartas que serão transformadas em monólogos (escritos e interpretados por nomes diferentes), exibidos também pelo Instagram e YouTube do Núcleo Barro 3, entre 17 e 24 de março.

No elenco estão os atores Catarina Milani, Gutto Vieira, Ivy Souza, Jefferson Brito, Letícia Oliveira, Lucas França, Manu Figueiredo e Rosana Pimenta. O time de dramaturgia é composto por Dani Nega, Felipe Dias, Jé Oliveira, Júlia Carrera, Maria Giulia Pinheiro, Regi Ferreira, Samira Calais e Victor Nóvoa. A concepção e direção ficam a cargo de Lucas França. Além dos monólogos, os questionamentos à ideologia fascista vão se transformar também em um texto final, que será apresentado em forma de leitura dramática, também em março, do dia 26 a 28 desse mês. Lucas França, diretor do projeto, explica que o grupo acabou optando pela realização online devido o contexto pandêmico mas, no fim, isso acabou contribuindo para socialização, descentralização e democratização do acesso ao material. "O momento político que vivemos não só no Brasil, como em outros lugares do mundo, nos mostra que precisamos entender que a ideologia fascista se apresenta de maneira quase sempre velada no cotidiano mundial por meio de discursos, ações e movimentos que buscam a manutenção do poder e da autoridade de um grupo específico em detrimento a pluralidade", conta.

Sinopse

O que você diria a um fascista? Correspondências trocadas por atrizes, atores, dramaturgos e dramaturgas compreendem em cartas a ele. respostas artísticas a um opressor desconhecido por meio de vídeo monólogos e a criação de um texto teatral inédito. Sobre o Núcleo Barro 3

O Núcleo Barro 3 é um coletivo teatral formado em 2016 a partir do encontro de artistas egressos do Instituto de Artes da UNESP e da SP Escola de Teatro Tem como fundamento para cena a pesquisa associada a diversos procedimentos de investigação e criação dramatúrgica por meio da escrita de cartas e da relação com o espaço urbano. Seu primeiro espetáculo, Barro Homem Barra Mulher - com texto de Regi Ferreira - trouxe para a cena figuras arquetípicas que põem em discussão as representações sociais sobre o feminino. A peça foi produzida com recursos arrecadados em uma plataforma de financiamento coletivo, estreou no Espaço Cultural A Próxima Companhia, ficando em temporada entre outubro e novembro de 2017. O espetáculoTambém participou da terceira edição do Festival Pé Dentro, Pé Fora na Oficina Cultural Oswald de Andrade à convite da Cia. Livre em 2017. Logo depois, integrou a 2a Edição do evento O Humano e O Urbano - Mulheres e (R)existências, em 2018. A obra foi selecionada, também, para fazer parte da programação do Teatro iNBOx Cultural, no mês de agosto de 2018, onde realizou sua segunda temporada. No mesmo ano, o espetáculo ainda participou da 33ª Edição do Festivale, tradicional festival teatral de São José dos Campos, recebendo crítica positiva e grande público.

Atualmente, o Barro 3 também possui dois outros projetos em andamento. Um deles é o cartas a ele., que tem como mote disparador a questão: "O que você diria a um fascista?". À vista disso, o trabalho busca reunir, por meio de uma linguagem híbrida entre o teatro e o audiovisual, elementos de nosso cotidiano que possam estar em diálogo com tendências autoritárias no atual cenário brasileiro e mundial. A pesquisa conta com a colaboração criativa de diversos artistas convidados e foi contemplada pelo edital ProAC Expresso Lei Aldir Blanc Nº36 (2020) da Secretaria de Cultura e Economia Criativa do Estado de São Paulo. O outro trabalho é Aos professores, aos miseráveis, a Paulo, adeus, que fabula a travessia de uma professora por um Brasil áspero e distópico projetado em 2030. O processo, que também é tramado por ações pedagógicas, derivas e performances, põe em discussão as relações entre educação e democracia em diferentes temporalidades. Esse trabalho foi contemplado pelo 17º edital do Programa de Valorização a Iniciativas Culturais - Modalidade 2 (2020) da Secretaria de Cultura do Município de São Paulo e pelo edital ProAC Expresso Lei Aldir Blanc Nº36 (2020) da Secretaria de Cultura e Economia Criativa do Estado de São Paulo.

Ficha técnica:

Concepção e direção - Lucas França

Elenco - Catarina Milani, Gutto Vieira, Ivy Souza, Jefferson Brito, Letícia Oliveira, Lucas França, Manu Figueiredo e Rosana Pimenta.

Dramaturgia - Dani Nega, Felipe Dias, Jé Oliveira, Júlia Carrera, Maria Giulia Pinheiro, Regi Ferreira, Samira Calais e Victor Nóvoa.

Trilha Sonora - Leandro Simões

Preparação de elenco - Júlia Carrera

Visagismo - Eliseu Weide

Produção - Catarina Milani

Informações a imprensa - Vanessa Fontes

cartas a ele.

Lançamento dos monólogos on-line produzidos: De 17 a 24/03 às 12h no Instagram e YouTube do Núcleo Barro 3

Leituras dramáticas on-line do novo texto produzido: Dias 26 e 27/03, às 20h e 28/03 às 18h

(Ingressos pela plataforma Sympla)