Montagem poética de Antunes Filho, "Foi Carmen", é a nova coleção digital do CPT_SESC

A Mostra traz a íntegra da gravação do espetáculo e o cartaz da obra-prima de Kazuo Ohno, que inspirou a peça

Foto: Bob Sousa


O CPT_SESC disponibiliza a coleção digital sobre a peça Foi Carmen, montagem dirigida por Antunes Filho em homenagem ao artista Kazuo Ohno, dançarino japonês e um dos precursores do Butô.

O espetáculo foi elaborado e concebido em apenas vinte e cinco dias, pelo diretor, que pretendia levá-lo à cidade de Yakohama, no Japão, e presentear o amigo artista nas comemorações de seu centenário.

Antunes Filho conheceu Kazuo Ohno no Festival de Nancy, na França, e ficou impressionado ao vê-lo interpretar sua obra-prima, Admirando La Argentina, em memória à dançarina de flamenco Antonia Mercé - conhecida como “La Argentina” e por ter ajudado a estabelecer a dança espanhola como arte teatral, com a qual se encantou na juventude.

Antunes, encontrou na imagem da atriz e cantora Carmen Miranda uma ligação com a dançarina argentina, dando início ao processo de construção da sua peça híbrida de dança-teatro, que fugia à estética utilizada em suas obras.

Foi Carmen não se trata de um espetáculo sobre a biografia da artista luso-brasileira, mas sobre o imaginário popular que ela representava, com canções, gestos, seus turbantes ornados com flores e frutas, colares, balangandãs, plataformas, juntamente com a referência ao butô para refletir sobre o tempo oriental, o espaço, além dos arquétipos, mitos e a maneira de viver nas culturas orientais e ocidentais.

Um espetáculo sem texto; apenas um trecho falado em "fonemol", língua criada por Antunes, e um enredo sucinto, encenado por meio de fragmentos que começa com a menina contando passos, que sonha com os microfones das rádios e em ser Carmen Miranda; um malandro que percorre as ruas do Rio de Janeiro e tem a visão fantasmagórica da que “Foi Carmen”, interpretada por Emilie Sugai, dançando sempre de costas e com o rosto coberto, “porque ela foi, não é mais”, diz Antunes.

Foi Carmen estreou em 2005, no Festival de Teatro de Curitiba, depois foi encenada no Rio de Janeiro e finalmente no Japão. Somente após 3 anos iniciou temporada em São Paulo.

Oitava Coleção na plataforma Sesc Digital

Foi Carmen (2005) é a oitava peça a integrar as Coleções e Acervos Históricos disponíveis na plataforma digital do Sesc, juntando-se a Gilgamesh (1995), Antígona (2005), Medeia (2001) e Medeia 2 (2002), Fragmentos Troianos (1999), Xica da Silva (1988), A hora e vez de Augusto Matraga (1986) e A Pedra do Reino (2006), que permanecem on-line para serem visitadas a qualquer instante.

A coleção conta com a íntegra do espetáculo e o cartaz da obra-prima Admirando La Argentina, de Kazuo Ohno, além de trajes, adereços de cabeça, sapatos, objetos cênicos, materiais gráficos, como programas e convite da peça e outros itens que recontam a história do espetáculo.

FOI CARMEN – Coleções e Acervos Históricos do CPT_SESC

Figurinos, objetos de cena e materiais gráficos em coleção digital que apresenta o acervo do espetáculo Foi Carmen, montado em 2005 pelo CPT, com direção de Antunes Filho.

Disponível, a partir de 02 de agosto, na plataforma Sesc Digital