"FestA! – Festival de Aprender" do Sesc São Paulo retorna ao presencial

40 unidades recebem a edição 2022 do Festival focado em programações que unem artes visuais, tecnologias e diferentes práticas culturais

Foto: Sesc São Carlos - Encontro de tricô e crochê | Acervo Pessoal


O Sesc São Paulo realiza a quinta edição do FestA! – Festival de Aprender em todas as suas unidades do estado, com o objetivo de incentivar o prazer pelo fazer artístico em diferentes idades, favorecer o reconhecimento do potencial criador de cada indivíduo, e reforçar à população que o Sesc é um lugar de aprender. Com mais de 350 atividades, a programação gratuita – que tem a pluralidade como uma característica marcante – retorna ao formato presencial depois de dois anos.


São cursos, oficinas, demonstrações, bate-papos e vivências para todas as idades, com foco em artes gráficas e têxteis, audiovisual, criação de jogos, realidade virtual, HQ, tecnologias digitais, sociais, ancestrais e sustentáveis, proporcionando o contato do público com técnicas construtivas, fotografia, gravura, desenho, modelagem, artesanato, marcenaria, fabricação digital e eletrônica criativa.


Como acontece desde a sua criação, o FestA! – Festival de Aprender promove a troca e a ampliação de experiências e conhecimentos em artes e tecnologias entre públicos, educadores, artesãos e artistas. Ao participar ou se inscrever em uma das ações, o público terá a oportunidade de aprender sobre as mais diferentes técnicas e habilidades, como fabricar um bongo cajón (instrumento musical), aprender técnicas de cerâmica indígena, participar de um hackathon de criação de verbetes para wikipedia, criar um webdoc, produzir uma panela de barro, construir um totem wi-fi movido à energia solar, criar jogos de cartas e tabuleiro, fazer curso de dublagem, construir carrinhos de rolimã e discutir sobre algoritmos e segurança da informação entre outras.


Para Danilo Santos de Miranda, diretor do Sesc São Paulo “atividades de experimentação nas artes são fundamentais para facilitar a aproximação de variados públicos ao universo artístico, permitindo criar momentos de lazer e aprendizagem. A rede de unidades do Sesc constitui, neste sentido, um privilegiado sistema para o oferecimento de cursos e oficinas em artes e tecnologias, favorecendo não apenas o acesso do público, mas a apresentação e circulação de distintos profissionais do ensino das artes, em ações marcadas pela cooperação e compartilhamento de saberes”.


Um dia antes da abertura oficial do festival, para marcar o início do evento, acontece no Poupatempo Sé a Feira de demonstrações de ferramentas com diversos artífices e educadores apresentando técnicas e ferramentas utilizadas em seus ofícios ligados a marcenaria, pequenos reparos caseiros, mecânica automotiva e entalhe em madeira, entre outros.


Destaques capital paulista

Foto: Rennan Peixe | Sesc Campo Limpo - Quilombos Tecnológicos


Recuperar o fazer artesanal e ancestral ao mesmo tempo em que se conecta com novas tecnologias estão entre as peculiaridades do FestA! – Festival de Aprender. Um dos exemplos está na programação que acontece no Sesc Santana. Ao mesmo tempo que Bruno Perê ensina a fazer um carrinho de rolimã , brinquedo que fez parte da infância de muitos que cresceram entre as décadas de 1960 e 1980, é possível também pilotar um mini drone com Lucas Schlosinski e ver de perto como funciona um drone FPV, com o uso dos óculos de realidade virtual.

Quem ainda não consegue voltar a viajar pelo mundo, pode encontrar a solução na oficina Volta ao Mundo em 80 minutos: mochilando com a realidade aumentada, que acontece no Sesc Pompeia. Nela, Lucas Duarte ensina os participantes a produzirem óculos de realidade aumentada caseiros e usarem seus aparelhos celulares para conhecerem lugares ao redor do mundo.


A atividade Quilombos Tecnológicos, no Sesc Campo Limpo, reúne Sil Bahia, da Preta Lab (RJ), Mãe Beth de Oxum, do Laboratório de Tecnologia e Inovação Cidadã (PE) e Adriana Barbosa, da Preta Hub e Feira Preta (SP) para abordar a união da tecnologia para a inclusão digital, inovação e diversidade.


No Sesc Belenzinho, enquanto os participantes do curso Baralho Xilográfico, com o Ateliê Nômade, poderão criar um baralho a partir da elaboração e impressão de cartas em xilogravura, os participantes da oficina Jogo de memória símbolos Adinkras, com Cia Caruru, construirão jogos vivenciando uma das escritas e sabedorias antigas do povos akan, civilização da África Ocidental, utilizando carimbos, estampas, colagem e tecidos.


Já o Atelier Piratininga leva para o Sesc Consolação a atividade Xilogravura do Apocalipse, que mostra como o universo do cordel e arte urbana e arte gráfica contemporâneas podem se relacionar.


A ​​artista indígena Uýra apresenta a performance Ponto final, ponto seguido no Sesc Vila Mariana e também conduz uma ação de desenho Estética Solarpunk – Desenhaço na Praça, junto com as artistas Kawany Tamoyos e Ana Ruschë. Na mesma unidade, Dani Sandrini ensina fitotipia, também chamada de chlorophyllprint, é um processo do século XIX que utiliza a própria folha da planta como suporte para as imagens fotográficas.


No Sesc Interlagos, o grupo Cidade Invertida oferece o curso Fotografia analógica: fluxo e produção em preto e branco que propõe uma imersão completa no mundo da fotografia analógica, apresentando um pouco da história da fotografia, conceitos básicos de fotometria, enquadramento e composição, criação autoral, manuseio de câmera e processamento de filmes, incluindo uma saída fotográfica e ampliação de negativos.


A historiadora, pesquisadora de HQs e especialista acadêmica em Batman promove o encontro Batman e leituras sociais possíveis no Sesc Itaquera.



Destaques região metropolitana de São Paulo

Foto: Guilherme Luís de Carvalho | Sesc Santo André - Exposição: Pequenas Pedras Polidas: a azulejaria


A unidade do Sesc em Mogi das Cruzes, próxima de São Paulo e uma das mais novas na rede, participa pela primeira vez do FestA! – Festival de Aprender. Sua programação tem forte inspiração na cultura japonesa, uma homenagem aos imigrantes do país que fazem parte da formação da cidade. Entre os destaques está a Feira de Cerâmica com artesãos e alunos dos cursos de cerâmica do Casarão do Chá, que venderão suas peças e estarão disponíveis para trocas durante todos os dias do festival. A instalação audiovisual Jardim de Borboletas: uma experiência imersiva em cores e luzes também promete agitar a unidade. O projeto de Demétrio Portugal em parceria com Ceci Soloaga e Erica Mizutani acontece durante três noites transformando o galpão do Sesc Mogi das Cruzes numa obra viva, onde o público pode interagir com a instalação dentro e fora do espaço.


Durante a demonstração Utensílios Maker, educadores do Espaço de Tecnologias e Artes do Sesc Guarulhos apresentam talheres, xícaras e outros utensílios de uso doméstico construídos a partir de equipamentos como a impressora 3D e a fresadora CNC. Já a ceramista e professora Ana Laura Bádue ministra o curso Objetos para Fogo: Panela de Barro ensinando sobre a utilização do barro para a construção de panelas e a dinâmica do fogo e do calor sobre essas peças.


No Sesc Santo André, Jerona Ruyce comanda o público na Caça ao tesouro do Acervo. Por meio de um roteiro lúdico, a atividade estimula crianças a terem contato com o acervo de obras artísticas da unidade, partindo da exposição Pequenas Pedras Polidas: a azulejaria no Acervo Sesc de Arte e em outras coleções.


Em Atlas periférico da Billings, Luiz Silva, do Lah Estudio, guia o público na intervenção atlas periférico do ABC, que resgata depoimentos sobre a vida dos bairros da região da Billings em São Bernardo do Campo. Também em São Caetano, Sertão Perifa oferece uma experimentação em ​​Artes populares do Nordeste: xilogravura, flâmulas e bonecos em marchê.


Destaques interior de São Paulo

Foto: Sesc Araraquara | Criação de Mini WebDoc "Festa nos Trilhos do Interior" | Divulgação


No Sesc São Carlos, há um convite para o contato com a ancestralidade, por meio de atividades que ensinam técnicas de pintura com soja e pigmentos naturais em tecido, encontros de tricô e crochê ou da instalação Tetas que deram de mamar ao mundo, da artista Lidia Lisboa.


Em Campinas, o artista de rua Mundano, um dos criadores do Pimp my Carroça, e muitas outras iniciativas, faz uma intervenção artística no muro da unidade. O Sesc Campinas também recebe o Hospital de Brinquedos, que promete consertar, além de conversar sobre brinquedos, brincadeiras e colecionismo. E, ao mesmo tempo, incentivar a economia solidária e a sustentabilidade através do reuso e da cooperação.


Numa programação conjunta entre Sesc Catanduva e Sesc Araraquara, o público irá coproduzir coletivamente um webdoc sobre a Ferrovia Araraquarense, recuperando parte da memória das cidades de Catanduva e Araraquara e criando roteiro, produzindo material e editando vídeos.


Foto: Sesc Bauru | Tecnologias e Artes - Bate-papo Autoras de HQ | Divulgação


Uma feira de HQ e zines, com autores independentes de Bauru e região ocupa o Sesc da cidade. Além de comprar as publicações, o público poderá trocar com seus criadores.


O Sesc Taubaté recebe o pessoal do Pimp my Carroça, movimento que atua desde 2012 para tirar os catadores de materiais recicláveis da invisibilidade – e aumentar sua renda – por meio da arte, sensibilização, tecnologia e participação coletiva. Uma das atividades que eles irão realizar na unidade é o Pimpex, uma tecnologia social, que tem por objetivo promover reconhecimento e segurança a catadores de materiais recicláveis, por meio da reforma da carroça, instalação de itens de segurança e transformação da carroça em uma obra de arte.


Ainda no campo da tecnologia social o Sesc Santos utiliza jogos desenvolvidos pelo coletivo Fast Food da Política, como o Jogo dos 3 Poderes, (De)BateBoca e Trilha do Voto para ampliar a percepção de mundo e para refletir e ensinar as regras do sistema democrático.


A programação completa do FestA!, os detalhes das inscrições e outros conteúdos exclusivos podem ser vistos no site sescsp.org.br/festa.