Espetáculo inspirado em Os Sertões, propõe uma curadoria de memórias para falar da Guerra de Canudos

"Inventário das coisas esquecidas", do Coletivo Tresbeira, estreia nova peça no Teatro do CEU Carrão


Foto: Camilo Goes


O que cabe de uma guerra num espaço tão curto? Mais de 120 anos após a publicação de Os Sertões e de uma extensa fortuna crítica sobre o livro, uma série de documentos busca disputar os significados da Guerra de Canudos, posicionando o evento na centralidade da constituição de nossa atual república. Inspirados no trânsito entre literatura, história e ciência proposto pelo exercício euclidiano, o Coletivo Tresbeira caminha por uma curadoria de imagens e memórias, próprias do que foi Canudos, na tentativa de reconstruir um espaço saturado de artefatos que retiram esse ‘museu’ do esquecimento.


Este é o mote do espetáculo "Inventário das Coisas Esquecidas", que faz uma recriação da narrativa da Guerra de Canudos, contextualizada em eventos atuais. Viabilizado com a contemplação na 14° edição do Prêmio Zé Renato de Fomento ao Teatro, a peça estreia no Teatro do CEU Carrão. Depois, o espetáculo segue para os Teatros Flávio Império e Arthur Azevedo. Todas as apresentações são gratuitas e parte delas conta com intérprete de libras.


Foto: Camilo Goes


Mais do que uma encenação das passagens do enredo do livro “Os Sertões”, no entanto, o grupo se empenha em uma reescrita que compreenda os modos operativos e formais da obra, buscando um comentário, via cena, de aberturas e abordagens possíveis deste evento que marca nossos processos históricos enquanto nação. Ainda, o trabalho do Coletivo não se debruça apenas neste extenso monumento literário, como adentra em parte de sua fortuna crítica.


Os Sertões é uma importante materialidade na disputa do significado de Canudos que pensadores, políticos e artistas remodelaram através das décadas que separam sua publicação dos dias atuais. A fonte inesgotável do ensaio euclidiano é desenvolvida em uma extensa fortuna crítica que amplia e matiza as questões tangenciadas pelo livro e aponta, ainda, uma interlocução com demais literaturas sobre guerras e suas representações.


Foto: Camilo Goes


É nesse sentido que o Coletivo ampara a pesquisa do seu trabalho em uma bibliografia que contribui não só a sensibilização e embasamento teórico sobre as temáticas, mas incide na própria dramaturgia processual do espetáculo. Na esteira do exercício de edição e colagem operado na criação, diferentes fragmentos são combinados com a encenação e com relatos dos artistas envolvidos. São citados: “A Guerra não tem rosto de Mulher” de Svetlana Alexiévich, “Eu vejo teus erros. Seguindo as pegadas de Dilermando de Assis num exemplar único de Os Sertões de Euclides da Cunha” de Cristiane Henriques Costa e “No calor da hora: a Guerra de Canudos nos jornais” de Walnice Nogueira Galvão.


Ficha Técnica

Direção artística e Designer Gráfico: Junior Romanini

Em cena: Be Magosso, Eder Asa, Fernanda Pio, Gabriel Góes e Mônica Bernardes.

Interlocução Artística e Laboratórios Vocais: Letícia Coura

Provocação dramatúrgica: João Turchi

Composição e execução musical: Lucas G Moutinho e Gabriel Eleutério

Realização audiovisual: Augusta Gui

Pensamento e execução de recursos visuais e cenográficos: Padu Cecconello

Desenho e operação de luz: Afonso Costa e Ton Ribeiro

Direção de Produção: Be Magosso

Produção Executiva e acompanhamento de projeto: Eder Asa

Assistência de Comunicação: Fernanda Pio e Gabriel Góes




INVENTÁRIO DAS COISAS ESQUECIDAS


Temporada Teatro do CEU Carrão

Data: Dias 23, 24 e 30 de Setembro | 01 de Outubro

Horário: às 20:00

Local: Rua Monte Serrat, 230 - Tatuapé

Ingresso: Gratuito


*Sessão extra dia 30 de Setembro, às 15h com intérprete de libras



Temporada Teatro Flávio Império

Data: De 05 a 09 de Outubro

Horário: Quarta a Sábado, às 20h | Domingo, às 18h-

Local: R. Prof. Alves Pedroso, 600 - Cangaiba

Ingresso: Gratuito


*Sessão extra dia 07 de Outubro, às 14h com intérprete de libras



Temporada Teatro Arthur Azevedo

Data: 21 de Outubro a 06 de Novembro

Horário: Sexta e Sábado, às 20h | Domingo, às 18h

Local: Av. Paes de Barros, 955 - Alto da Mooca

Ingresso: Gratuito


*Sessão extra dia 04 de Novembro, às 15h com intérprete de libras