Enxurrada Casa Preta III apresenta o solo En(cruz)ilhada, DJ DMT e o trio Los Perifas

O encontro traz ancestralidade afro-ameríndia através da arte teatral e musical soteropolitana.



As artes são responsáveis por abrir potentes caminhos de desconstrução e debates, e não seria diferente na terceira edição do Enxurrada Casa Preta, que traz uma programação que oportuniza um novo pensamento do que é brasilidade e representatividade, através do espetáculo En(cruz)ilhada, com atuação de Leno Sacramento, e dos shows de Los Perifas e DJ DMT, dias 30 e 31 de Janeiro, respectivamente, com transmissão pelos canais de Youtube e Facebook da Casa Preta Espaço de Cultura.


O projeto abre através da música e do teatro possíveis trajetos coletivos e de acesso à produções culturais baseadas em diversidade racial, de gênero e religiosa durante quatro meses. Adequada aos protocolos sanitários devido ao Novo Coronavírus (COVID-19) e em busca do fortalecimento dos discursos ameríndios e de negritudes, Enxurrada III ocupa a Casa Preta Espaço de Cultura, local conhecido por solidificar cultural e socialmente artistas, iniciativas e coletivos que partilham da valorização da herança indígena e afro-brasileira.


Integrante do Bando de Teatro Olodum, o ator Leno Sacramento apresenta dia 30 de Janeiro, às 20h, o monólogo En(cruz)ilhada. Neste espetáculo, a vítima não está sozinha e o público é conduzido junto ao ator à várias reflexões sobre vida e morte. Na trama, Leno discute o racismo e as várias mortes simbólicas que envolvem o negro na sociedade. A morte social, cultural, financeira, estética e psicológica.

En(cruz)ilhada


En(cruz)ilhada nos apresenta o corpo negro sendo julgado como réu. Sacramento, que também assina a dramaturgia, retrata seu personagem nas mais diversas formas de assassinato do negro que, em suas variáveis, tem como agente o racismo naturalizado e velado na realidade brasileira. A peça é dirigida por Roquildes Junior e ocupou diversas programações com o ator que estrelou essa e outras obras do cinema e teatro brasileiro como Cabaré da Rrrrraça, Áfricas e Ó Paí, ó.


No dia 31 de janeiro, dois shows prometem resgatar da tradição e ancestralidade afro e ameríndia na música e energia do Brasil, através de DJ DMT e Los Perifas, que se apresentam e trazem suas raízes a partir da cultura hiphop, bailes de discotecagem, percussão baiana, ritmos afrobrasileiros e afrocubanos. Assumindo as picapes tecnológicas musicais do Enxurrada Casa Preta III, DJ DMT inicia a noite 20h e traz como convidada a Suja de Fato, cantora, MC, compositora, poeta e conhecida na cena soteropolitana por seus versos, flow’s marcantes e por ser idealizadora e mestre de cerimônias da Batalha das Bruxas.

O grupo Los Perifas se apresenta às 21h, na mesma noite, e é formado por Ridson Reis (ator e músico do Bando de Teatro Olodum), Roquildes Júnior e Gabriel Carneiro. O show começa às 21h e promete um repertório formado pela releitura de canções de artistas como Carlinhos Brown, Martinho da Vila, Lenine, Tribalistas, entre outros.


DJ DMT


O Enxurrada da Casa Preta III é financiado pelo Prêmio Anselmo Serrat de Linguagens Artísticas, da Fundação Gregório de Mattos, Prefeitura Municipal de Salvador, por meio da Lei de Emergência Cultural Aldir Blanc, com recursos oriundo da Secretaria Especial da Cultura, Ministério do Turismo, Governo Federal.