Em sessões ao vivo e online "Vic Triunfo" propõe reflexão sobre o imponderável

Agora em sessões online, monólogo ganha atualidade diante da experiência da pandemia


Foto: Felipe Portella


Quando estreou sua primeira temporada em 2017, a atriz Renata Bortoleto e o dramaturgo Caio Tozzi nem imaginavam que a peça que haviam criado, a partir de experiências íntimas, poderia refletir, anos mais tarde, um sentimento coletivo. Agora, em 2021, VIC TRIUNFO ganha o online com apresentações gratuitas na plataforma de video chamadas Zoom.

Em VIC TRIUNFO – dramaturgia e direção de Caio Tozzi – a protagonista Victória (Renata Bortoleto) ganha o apelido que dá título ao espetáculo ao carregar em sua vida o feito de ter vencido a morte três vezes. Diante deste fato, descobre que sobreviver não significa nada e decide buscar um novo caminho para entender sua existência. Então, a imensidão do desconhecido e a vulnerabilidade humana diante deste mistério passam a ser os temas condutores da peça, que se tornaram mais simbólicos por conta da pandemia e fizeram aflorar, mais do que nunca, o medo do invisível.

Casados na vida real, Renata e Caio só queriam transformar em arte inúmeras inquietações que permeavam a vida após o nascimento da filha, Maria, momento em que o medo, a ansiedade e a insegurança começaram a fazer parte da rotina.

“Como conviver com o imponderável? O que fazemos quando descobrimos o quanto estamos suscetíveis a tudo? Essa dor toma conta de todos nós, com mais ou menos intensidade, porque não imaginamos o que nos aguarda, seja daqui a um ano ou no próximo segundo”, ressalta Tozzi. “E, para se salvar desse precipício, o homem inventou artifícios para explicar o inexplicável. A religião e a arte, por exemplo, tentam nos dar a chance de ser imortais”.

Cultura pop e quadrinhos

Vic, por exemplo, tem um vício muito particular para aliviar sua alma: é aficionada em telenovelas. Sabe tudo sobre personagens e tramas e, desde muito pequena, lembra dos folhetins como sua companhia. As novelas passaram a ser a maneira que ela encontrou de abrir uma janela mais poética na realidade dura do dia a dia. Também tem obsessão pelo controle, anota tudo e faz listas em diversos cadernos.

Mas Vic é pega de surpresa pela realidade mais crua, que acaba abalando o mundo de fantasia no qual se apoia. “VIC TRIUNFO traz para o palco uma elaboração filosófica sobre a importância do presente, a consciência do agora, tão relevante em tempos de transição, de construção de novos valores, de um profundo buraco existencial e de tantas ausências. É, ainda, uma oportunidade de pensar sobre como podemos preencher, da melhor forma possível, este tempo e espaço que nos foram dados nesta grande jornada que é a vida”, ressalta a atriz Renata Bortoleto.

Com uma estética inspirada na cultura pop e nos quadrinhos, o cenário, agora montado dentro do apartamento do casal, apresenta um canto de uma sala de estar, fazendo com que o público se torne cúmplice e íntimo da protagonista.

Escrita em 2016 e encenada em 2017 (quando ganhou duas temporadas), VIC TRIUNFO é a primeira incursão teatral de Caio Tozzi, que é escritor, roteirista e diretor de documentários, como A vida não basta. Renata Bortoleto tem doze anos de carreira como atriz – “Vic” foi seu primeiro monólogo.

Sobre Caio Tozzi

Escritor, roteirista e jornalista. Na literatura, seus contos e crônicas estão reunidos em Postal e Outras Histórias (2009) e Quando Éramos Mais (2013). Para o público infantojuvenil, escreveu os livros Tito Bang!, Boa Sorte, Dante, Fabulosa Mani, Super-Ulisses, entre outros. Como documentarista, criou, roteirizou e codirigiu os filmes Ele Era um Menino Feliz – O Menino Maluquinho, 30 Anos Depois (2011), sobre a trajetória do famoso personagem, e A Vida Não Basta (2013), que conta histórias de pessoas que vivem pela arte e que tem a participação de Laís Bodanzky, Ferreira Gullar, Toquinho e Denise Fraga, entre outros. Além disso, atua na produção de conteúdo e histórias para projetos culturais e de entretenimento, assim como na publicidade e mercado institucional.

Sobre Renata Bortoleto

Atriz, diretora e dramaturga. Começou sua formação na oficina da Companhia dos Satyros, com Rodolfo García Vásquez, em 2009, quando foi convidada a compor o elenco do Núcleo Experimental que viria a encenar R.E.M. – Rapid Eye Movement, com direção de Luiz Valcazaras, espetáculo livremente inspirado no texto O Sonho, de August Strinberg. Atuou nas montagens de Ensaio de um Documentário (2010-2011), dirigido por Roberto Andreoli, e 1915, de Arthur Haroyan e direção de Rogério Rizzardi (2015), sobre a trajetória de uma família vítima do genocídio armênio. No cinema, trabalhou nos curtas-metragens Monólogo (2009), de Guilherme Valle, Ser Estar Permanecer Ficar (2011), de Eduardo Melo, e Em Meu Nome (2016), de Caio Tozzi e direção de Bruno Andrade. Como autora e diretora, montou o Depois de Ontem (2013), que discute os sentimentos controversos presentes nas relações baseadas no amor e no afeto.


Dramaturgia e direção – Caio Tozzi. Atuação – Renata Bortoleto. Cenografia e figurino – Caio Tozzi e Renata Bortoleto. Trilha sonora original – Felipe Parra (Capitão Foca). Voz na música de abertura – Zá. Design gráfico – Beatriz Marassi. Fotos – Felipe Portella. Vídeo – Pedro Ferrarini. Produção – Danilo Dal Lago e Renata Bortoleto. Assessoria de imprensa – Nossa Senhora da Pauta. Realização – Belbellita Comunicação & Artes Ltda.


VIC TRIUNFO

Temporada: De 09 de Setembro a 28 de Outubro

Horário: Quintas-feiras, às 20h

Local: Plataforma Zoom

Ingressos: Gratuito | Retire aqui.

Classificação: 12 anos

Duração: 60 minutos