Distopia imagina cenário em que entes familiares podem ser substituídos por máquinas

Escrita e dirigida por Kiko Rieser, espetáculo "A Vida Útil de Todas as Coisas" entra em cartaz de maneira online

Foto: Heloisa Bortz


Figura de destaque na cena teatral paulista atual, o diretor e dramaturgo Kiko Rieser faz temporada online da distopia A Vida Útil de Todas as Coisas pela Plataforma Teatro. O elenco é formado por Agnes Zuliani, João Bourbonnais, Luís Mármora e Priscila Paes.


Em uma ficção que pode ser lida como um futuro distópico ou um realismo fantástico situado nos dias de hoje, o pai de uma família comum constata que seu próprio pai está com problemas de memória, e procura uma assistência técnica para tratá-lo. Nesse lugar, o idoso recebe o diagnóstico de que não há mais conserto ou troca para seu cérebro, portanto, seu fim está próximo. A indústria de órgãos biônicos – sempre programados para durarem pouco e serem substituídos por modelos mais novos – ainda não conseguiu criar um cérebro artificial, único órgão impossível de trocar.


Como alternativa ao problema, a loja oferece a substituição do idoso por uma máquina com aparência humana. Indignado, o protagonista rejeita a possibilidade e passa a lutar contra o comércio de substituição de pessoas por máquinas, vendo nisso um objetivo para sua vida, até então banal e rotineira. No entanto, nem sua própria filha nem mesmo seu pai aderem a essa campanha, e ele percebe que a sociedade não está interessada nos valores que ele tenta defender.


Fotos: Heloisa Bortz


A encenação parte dessa situação para propor uma discussão sobre os limites entre o público e o privado, um tema cada vez mais atual. Em um tempo em que não há individualidades e identidades, apenas pessoas úteis a tais ou quais propósitos socialmente designados, não pode haver respeito à privacidade, já que tudo e todos devem servir ao sistema do qual fazem parte.


Sinopse

Em uma realidade distópica, o pai de uma família comum tenta se reencontrar com sua própria humanidade enquanto luta contra um comércio de órgãos biônicos e de substituição de pessoas por máquinas.


Ficha técnica:

Texto e direção: Kiko Rieser

Elenco: Agnes Zuliani (atendente), João Bourbonnais (avô), Luís Mármora (pai) e Priscila Paes (filha)

Cenário: Marisa Bentivegna

Desenho de luz: Aline Santini

Figurinos: Kleber Montanheiro

Música original: Gregory Slivar

Visagismo: Louise Helène

Assistência de direção: Amazyles de Almeida e André Kirmayr

Assistente de cenografia: Amanda Vieira

Assistente de figurino: Luma Yoshioka

Assistente de iluminação: Pajeú de Oliveira

Cenotécnico: Cesar Rezende (Basquiat)

Costura: Marcos Valadão e Maria Luisa Roque

Adaptações cenário: Zito Lemos

Montagem: Maurício Shirakawa

Contrarregragem: Calu Batista e Eduardo Couto

Operação de luz: Rodrigo Palmieri

Operação de som: Diego Andrade

Direção de produção: Kiko Rieser

Produção executiva: Ronaldo Diaféria

Assistente de produção: Jaddy Minarelli

Design gráfico: Angela Ribeiro

Fotos: Heloísa Bortz

Assessoria de imprensa: Pombo Correio

Câmeras: Claus Lehmann, Nelson Kao e Otávio Dantas

Técnica de som direto: Natassia Vitale

Montagem e finalização de imagem: Otávio Dantas

Produção: Rieser Produções Artísticas e Diaferia Produções

Um espetáculo da Companhia Colateral


A VIDA ÚTIL DE TODAS AS COISAS

Temporada: De 03 a 19 de Dezembro

Horário: Sexta a Domingo às 20h

Local: Plataforma Teatro

Ingressos: Ingressos gratuitos ou colaboração espontânea

Duração: 01h10

Classificação: 12 anos


Posts Relacionados

Ver tudo