Consumo desenfreado e precarização do trabalho são temas de "Agamenon 12h"

Encenador argentino radicado na Espanha, Rodrigo García é autor de dezenas de peças de teatro


Foto: Mariana Chama


Doze atores e atrizes se sucedem interpretando o mesmo texto, no mesmo cenário, em uma experiência cênica que dura 12 horas seguidas, sem intervalos, em um dos endereços mais movimentados da capital paulista. Para assistir, a plateia pode entrar, acompanhar, sair, voltar e ainda assim haverá o mesmo texto sendo interpretado, mas agora já por outro artista. E depois outra. E outro e outra.


Esta é a proposta de "Agamenon 12h", concepção e direção de Carlos Canhameiro que estreia na Praça (térreo) do Sesc Avenida Paulista. A entrada e a saída são grátis e livres - o espectador escolhe quanto tempo ele quer assistir, com acesso liberado.

"Agamenon 12h" é uma experiência cênica a partir do texto do autor argentino Rodrigo García. É a primeira vez que o texto ganha uma versão brasileira. A tradução e adaptação do texto “Agamenon - Voltei do Supermercado e dei uma surra no meu filho” (2004), de Rodrigo García, é do Canhameiro e de Chico Lima.


Foto: Mariana Chama


Nenhum dos dias de apresentação é igual ao outro. Isso porque os doze atores não se apresentarão na mesma ordem, a cada dia eles vão também se alternando, como peças de uma engrenagem em que se pode alterar sem prejuízo do funcionamento, mas com diferenças no entendimento. A cada versão, cada ator oferece sua proposta, uma linguagem e uma cena diferente apesar do mesmo texto.


“O teatro tem inúmeras possibilidades formais que podem ser muito diferentes entre si. Não acredito que exista a maneira certa de fazer um texto. Acredito sim que a diversão para o público será perceber quais as formas, e os afetos escolhidos por cada artista em cada cena, o agrada, o instiga ou o repulsa. Para mim, essas diferenças são mais complementares do que excludentes, o teatro é mais plural do que singular." explica Canhameiro.


Foto: Mariana Chama


Este projeto foi contemplado pela 12ª Edição do Prêmio Zé Renato de apoio à produção e desenvolvimento da atividade teatral para a cidade de São Paulo - Secretaria Municipal de Cultura.


O ponto inicial do texto é a produção desenfreada de produtos supérfluos que acabam virando lixo, acarretando inclusive em questões ambientais. “Produzir lixo com roupagem de coisa fina. Comprar sem entender o processo de criação, o mecanismo de produção… Tudo luminoso, excessivo e inútil do ponto de vista do homem, mas que será lixo na perspectiva do planeta”, conta Canhameiro.


A dramaturgia vai do registro radical de uma situação cotidiana de um pai de família decepcionado com o seu vazio existencial a partir da frustração de uma compra em um supermercado seguida de uma ida ao restaurante fast food. Esse pai de família desconta esse vazio em sua família e tenta explicar o (des)funcionamento da sociedade atual para seu filho, de maneira nada ortodoxa, mas que faz uma relação peculiar com o dia-a-dia atual.


Foto: Mariana Chama


O cenário - criado por Renato Bolelli Rebouças - faz referência a uma banca de camelô, com centenas de produtos de diferentes usos e qualidade e durabilidade descartáveis. A instalação ficará disponível para que o público ‘visite’ mesmo quando não houver sessão.


A trilha sonora - composta por Guilherme Marques e Paula Mirhan - também é diferenciada. Foram produzidas 12 trilhas sonoras originais e diferentes - uma para cada sessão diária de espetáculo, produzida para aquele “horário”. O desenho de som é de Lilla Stipp.



Ficha Técnica

Concepção e direção: Carlos Canhameiro

Texto: Rodrigo García

Elenco: Amanda Lyra, Cauê Gouveia, Chico Lima, Danielli Mendes, Eduardo Bordinhon, Janaina Leite, Jorge Neto, José Jardim, Nilcéia Vicente, Mariana Senne, Mercedez Vulcão e Veronica Valenttino

Trilha sonora: Guilherme Marques, Paula Mirhan

Desenho de som: Lilla Stipp

Cenário: Renato Bolelli Rebouças

Iluminação: Daniel Gonzalez

Figurino: Anuro, Cacau Francisco

Fotos: Mariana Chama

Produção: Corpo Rastreado - Gabi Gonçalves


AGAMENON 12H

Temporada: De 10 a 27 de Agosto

Horário: Quarta a Sábado, das 10h às 22h

Local: Av. Paulista, 119

Ingressos: Gratuito

Duração: 12 horas

Classificação: 14 anos

Capacidade: 80 lugares