Coletivo Diário lança a campanha de financiamento coletivo "AVOAPÉ - Vamos Voar Juntos"

O objetivo é remunerar todos os profissionais que contribuíram com a produção do projeto AVOAPÉ

Foto: Divulgação


O espetáculo AVOAPÉ é uma obra artística que envolve dança, música, poesia e muita vontade de criar! Com duração de 35 minutos, o projeto de vídeo-dança vem sendo construído desde janeiro de 2021. A equipe do Coletivo Diário fez a gestão e execução de todas as etapas do projeto durante os 06 (seis) meses de produção antes da estreia, e continua até hoje conduzindo a temporada de exibições do espetáculo virtual e a produção e administração desde financiamento coletivo.


Para a produção, foi necessária uma equipe composta por diversos profissionais das áreas: gravação e edição de vídeo, captação de imagens por Drone, edição de trilha sonora, produção de notas proêmias para acessibilidade, produção operacional, figurino, iluminação, cabelo e maquiagem, produção de desenho coreográfico, segurança e design gráfico.


Apresentação no kasulo Espaço de Arte | Foto: Natália



Foram convidados 04 (quatro) bailarines como intérpretes do espetáculo e mais 02 (dois) artistas para a realização das oficinas que antecederam a estreia: Dança Afro e Danças Urbanas realizadas, uma vez por semana durante o mês de julho.


Foto: Mayara Rosa


O financiamento coletivo irá pagar o trabalho dos artistas independentes, gerar renda artística e permitir que todes os envolvidos vivam mais um dia de sua arte! O trabalho foi realizado em conjunto em prol da vontade de criar e de resistir ao sistema que vivemos. AVOAPÉ é a expressão da batalha desses tantos artistas independentes e/ou periféricos e de tantos outros trabalhadores que vivem no corre. Artistas esses que, mesmo na dificuldade, fortalecem o trabalho um do outro, e que agora podem ser fortalecidos por você.



Sobre AVOAPÉ

Foto: Mayara Rosa


AVOAPÉ conta sobre o ser trabalhador, ser brasileiro, ser submetido às regras de um sistema duro e ser, principalmente, crente de seus Orixás. Entre folhas, flores e tropeços, o idealizador do projeto, Rodrigo Alcântara, segue trilhando na dança os caminhos que reivindica para todes nós e clamando por Njila, pelas Yabás e por suas ancestrais vivas. Entre agonias e pandemias, o artista segue resistindo de dentro de casa, das ruas, dos terraços e de dentro dos espaços entre artistas independentes. Trilhando seu caminho, um pé atrás do outro, até voltar a alçar voo.


Clique aqui e acesse a página do Cartase para conferir como você pode contribuir, e ainda conhecer as recompensas que pode receber ao apoiar o projeto.