Coletivo Bobik & Sofotchka estreia experiência cênica em duas fases

Espectador pode alternar entre uma interpretação e outra e acompanhar a sincronia de um mesmo texto


Foto: Dani Lopes


Quando a pandemia do novo Coronavírus começou, o coletivo bobik & sofotchka estava preparando o seu próximo projeto: levar aos palcos “Titus Andronicus”, de William Shakespeare. Os primeiros encontros com o texto já estavam acontecendo, mas por causa do isolamento social, tudo precisou ser interrompido. Agora, o grupo retoma o projeto, não em forma de peça online e sim de experimento teatral. Assim nasceu o projeto TITUS ANDRONICUS – o rosto da guerra | Uma experiência analógica para tempos virtuais.


O grupo, formado por sete mulheres, com direção de Marcia Nemer, tem como proposta criar uma forma de lidar com o fazer teatral nas possibilidades atuais. Para isso, a largada vai ser dada com dez vídeos, lançados três a cada semana no Instagram do projeto. Nestas transmissões, as atrizes vão contar sobre como foi estudar arduamente o texto de Shakespeare durante mais de um ano, num tempo suspenso entre a expectativa da pandemia acabar e o reconhecimento que seria um processo longo.


Depois da exibição dos vídeos no mês de setembro e da live simultânea ao final, o projeto entra em uma segunda fase em que a proposta é analógica. Em “TITUS ANDRONICUS – o rosto da guerra” o espectador tem a possibilidade de se afastar do mundo exclusivamente virtual e entrar em contato com um tempo estendido onde experiências são sugeridas e vividas.


Nesta etapa, os participantes recebem pelos Correios uma carta, com instruções e orientações, enviada pelas mulheres do coletivo - serão 100 vagas para participar da experiência. A correspondência sugere uma semana de atividades em que a pessoa assume o papel de participante ao se colocar não como espectador passivo de uma transmissão virtual - onde não há troca possível entre palco e plateia - mas como alguém que opta por participar do experimento com as atrizes e com o texto de Shakespeare. E aceitar (e realizar) as sugestões feitas nas cartas e pistas deixadas nas redes sociais do grupo.


O projeto foi contemplado pela Lei Aldir Blanc (Lei 14.017/2020), por meio do Ministério do Turismo, Secretaria Especial da Cultura e Prefeitura Municipal de São Paulo, através da Secretaria Municipal de Cultura.

Os vídeos

A cada semana serão publicados três vídeos curtos no Instagram do projeto). Em cada um deles, as atrizes irão contar a experiência de lidar com o texto de Shakespeare. No décimo vídeo as artistas antecipam sobre qual será a dinâmica das cartas, para o público já ter proximidade com o experimento.


Em outubro, acontece uma live com todo o elenco, para um contato final da adaptação feita por Marcia Nemer e Carol Pitzer para o texto de Shakespeare. Durante esse ‘ao vivo’, cada uma das sete atrizes vai ler o mesmo trecho do texto em seus respectivos perfis, sozinhas, porém assistidas e acompanhadas pelo público. O espectador vai poder ‘pular’ de um Instagram ao outro, já que elas estarão falando o mesmo texto.


Assim, este experimento serve como uma outra forma de pensar ‘a presença’ do/no teatro - e também no digital - mostrando que mesmo juntas, as atrizes estão sozinhas, inclusive vice-versa, estão sós e também na multidão das redes.

Ficha Técnica

Concepção e direção: Marcia Nemer

Elenco: Carolina Haddad, Clara Cury, Ediana Souza, Jhessica Daher, Mariana Leme, Naiara de Castro e Pamella Martelli

Dramaturgismo: Carol Pitzer

Idealização e produção: Mariana Leme

Fotos de divulgação: Dani Lopes

TITUS ANDRONICUS – o rosto da guerra

Vídeos

Datas dos lançamentos: Dias 6, 8, 10, 13, 15, 17, 20, 22, 24 e 27 de Setembro

Onde: Instagram @bobik_sofotchka

Horário: 19h


Live coletiva e simultânea

Data: Dia 01 de Outubro

Onde: Nos Perfis @bobik_sofotchka, @edianasouza_, @titusaexperiencia_carol, @marileme, @pamellamartelli, @jhessicadaher, @titusaexperiencia_naiara e @clara.cury

Horário: 20h