Coletivando Cia de Dança estreia 'Naízes' na Funarte SP

Obra mostra que um único corpo pode transbordar intensidades e singularidades do corpo preto, periférico e urbano


Foto: Rafaella Olivieri


A Coletivando Cia de Dança estreia "Naízes" na Sala Renée Gumiel do Complexo Cultural Funarte SP.


O espetáculo, que tem como intérpretes os artistas criadores Luís Silva e Pedro Avlis, traz uma estética contemporânea que entrelaça e funde elementos do house, wacking, hip hop e afro, entre outras vertentes das danças urbanas.


"Naízes" é uma montagem inédita da companhia carioca, fazendo sua estreia nacional nesta temporada paulistana, cuja concepção tem raiz nas memórias e atravessamentos de corpos que foram deixados à margem da sociedade e da vida. A obra mostra que um único corpo pode transbordar intensidades advindas de trajetórias e singularidades do corpo preto, periférico e urbano. Provocando o despertar dos olhos, o espetáculo convida o espectador para uma viagem de saberes, costumes e guerrilhas do povo preto.


Foto: Rafaella Olivieri


Com o objetivo de abraçar e dar voz à temáticas afro-diaspóricas e evidenciar singularidades do corpo artístico em meio a um contexto adverso, os artistas em cena articulam uma forma de ressignificar tantos atravessamentos selados nos corpos para, a partir deles, gerar vida e possibilidades de novos caminhos. Inclusive, o nome “Naízes” sintetiza reflexões da companhia sobre raízes, no que diz respeito às diversas origens e ancestralidades, e sobre as muitas nacionalidades, que perpassam pela história das pessoas afro-brasileiras.


A Coletivando Cia de Dança transita por linguagens e culturas, explora a diversidade de ritmos e movimentos. "Naízes" entrelaça house dance, wacking, hip hop dance e dança afro, além de incutir por outras danças urbanas e bases culturais que representam, entre tantas outras coisas, resistência e recriação.


“Com essas culturas aprendemos como ser coletivo para além da junção física. Aprendemos como existir em uma sociedade que nos faz inibir as naturalidades e ancestralidades”, comenta Pedro Avlis. “Esse trabalho é um grito de corpos que foram colocados constantemente no limite e obrigados a criar ferramentas para expressar e evidenciar suas narrativas”, finaliza Luís Silva.


Foto: Rafaella Olivieri


Nascida em 2019, a Coletivando Cia de Dança é composta por artistas das periferias da Zona Norte e Oeste do Rio de Janeiro, RJ. Seu trabalho é voltado para a reflexão sobre temáticas inseridas no contexto periférico e urbano. Em 2019 e 2020, circulou com o espetáculo Interfaces, fazendo apresentações em cidades do Rio de Janeiro e Espírito Santo, e também lançou o curta-metragem Afetos, disponível nas plataforma digitais.


Ficha técnica


Direção geral: Luís Silva. Criação e interpretação: Luís Silva e Pedro Avlis. Texto/poema: Jackeline Sarah. Colaboração de pesquisa: Rafaella Olivieri. Criação musical: Luís Silva. Direção de voz: Erivan Borges. Desenho de luz: Gil Santos. Fotografia: Rafaella Olivieri. Videografia: Mare Braga e Rafaella Olivieri. Apoio de pesquisa: Coletivo NUDAFRO. Idealização/produção: Coletivando Cia de Dança. Apoio cultural: Funarte.



NAÍZES

Temporada: Até 01 de Outubro

Horários: Sextas e Sábados, às 19h | Domingos, às 18h

Local: Alameda Nothmann, 1058 - Campos Elíseos

Ingressos: R$ 30,00 (inteira) | R$ 15,00 (meia) | Compre aqui

Duração: 50 min

Classificação: Livre

Capacidade: 53 lugares