Cia. Novelo estreia no Parque Augusta a peça "O Gato Malhado e a Andorinha Sinhá"

A montagem explora as linguagens do teatro de rua, do circo e da música


Foto: José de Holanda


Depois de circular por cinco anos com “Sonho de uma Noite de Verão”, a Cia. Novelo volta a ocupar espaços públicos com seu segundo trabalho: O Gato Malhado e a Andorinha Sinhá, uma livre adaptação do romance infantojuvenil de Jorge Amado. A peça estreia no Parque Augusta..


O romance “O Gato Malhado e a Andorinha Sinhá” foi escrito pelo autor baiano em 1948 como um presente de aniversário para seu filho João Jorge, que fazia um ano na ocasião. A obra, que só seria publicada pela primeira vez em 1976, é uma fábula sobre um amor proibido entre dois seres bem diferentes.


Foto: José de Holanda


O Gato Malhado é visto pelos outros animais do parque com desconfiança, exceto pela Andorinha Sinhá, que não tem receio algum de sua presença. Mas o amor entre os dois não pode acontecer porque existe uma lei que jamais pode ser quebrada: os bichos só podem se casar com outros da mesma espécie.


“A peça fala da possibilidade de você se apaixonar. Tem uma frase que aparece nas nossas músicas: ainda dá tempo de amar. Também falamos sobre a possibilidade de se encantar com a beleza, sobre o amor de contar histórias, sobre essa ligação que existe entre as pessoas e sobre estarmos juntos e dividirmos o mesmo planeta”, define a atriz Domitila Gonzalez.


Foto: José de Holanda


Embora tenha como ponto de partida uma obra infantojuvenil, a montagem explora essa linguagem popular, capaz de se comunicar com públicos de diferentes idades, com direito a muitas músicas originais costuradas à dramaturgia e interpretadas ao vivo pelo elenco.


“Gosto de uma frase do posfácio do livro, que define a obra como direcionada a crianças extremamente inteligentes de todas as idades. E, quando o Marco França nos provocava durante a criação do espetáculo, ele falava muito de um teatro feito para a infância – a das crianças, a minha, a sua e a de cada um de nós, sem deixar de falar as coisas importantes”, revela Samya Pascotto.


Foto: José de Holanda


E esse caráter popular e democrático é o que mais encanta as integrantes da Cia. Novelo. “Nem cogitamos fazer teatro em uma sala, porque somos apaixonadas pela rua. É um espaço onde as pessoas realmente param para ouvir as histórias. E sempre falamos que o teatro de rua também procura despertar o olhar mais afetuoso do público para a cidade e tudo o que acontece ao seu redor. A rua é nossa, é da cidade, é do cidadão, é nosso lugar de direito. E conseguimos acessar muita gente que nunca teve a oportunidade de ir ao teatro. Tem a ver com a sensibilidade, com o afeto e com o despertar do olhar para a Cultura e para o teatro”, diz Gonzalez


Ficha Técnica


Direção: Maristela Chelala

Concepção: Cia. Novelo

Direção Musical: Marco França

Dramaturgia: Samya Pascotto, Valérie Mesquita, Domitila Gonzalez

Colaboração dramatúrgica: Thalita Trevisani, Marina Campanatti, Beatriz Kovacsik, Maria Eugênia Portolano, Maristela Chelala.

Provocação de dramaturgia: Marco França

Arranjos: Marco França e Domitila Gonzalez

Músicas originais:

"Era uma vez, Antigamente" - Composição: Domitila Gonzalez. Colaboração: Samya Pascotto

"Repente do Gato mau, miau" - Composição: Samya Pascotto

"O primeiro amor", "Tema do Rouxinol", "Balada brega", "Coração-Passarinho", "A última carta", "Teia de Aranha", "Valsa do Amor ruim (para Sinhá)", "Seresta Ventada", "Tema do Outono" - Composição: Domitila Gonzalez

"Tango das Murmurações - Composição: Domitila Gonzalez, Samya Pascotto, Thalita Trevisani, Valérie Mesquita, Marina Campanatti

"Marchinha do soneto mal-escrito" - Composição a partir do soneto escrito pelo personagem Gato Malhado: Domitila Gonzalez.

"O Mundo só vai prestar" - Composição a partir do poema de Estêvão da Escuna: Domitila Gonzalez

Direção de movimento: Dinho Hortencio

Elenco: Beatriz Kovacsik, Domitila Gonzalez, Maria Eugênia Portolano, Samya Pascotto, Thalita Trevisani, Valérie Mesquita

Cenografia - Concepção e Arquitetura: Estúdio Chão / Adriano Carneiro de Mendonça, Antônio Pedro Coutinho, Leonardo Ribeiro

Construção de cenário: Bruno Fonseca

Arte e Pintura de cenário: Tainan Cabral

Figurino: Marichilene Artisevskis

Costura: Judite Geronimo de Lima

Adereços: Beatriz Kovacsik

Visagismo: Samya Pascotto

Realização: IBT

Produção executiva: Oliver Tibeau

Direção de Produção: Nathalia Gouvêa

Assistência de Produção: Vitória Rodrigues

Assessoria de Imprensa: Pombo Correio

Design Gráfico: Estúdio Alles Blau

Fotografia de divulgação: José de Holanda

Intérprete em Libras: Jhafiny Lima

Desenho de Som: André Teles

Técnico de som: André Teles

Operador de Som: André Teles e Viviane Barbosa

Assistente de Som: Lucas Paiva

Apoio: Prefeitura de São Paulo e Secretaria do Verde e do Meio Ambiente

Apoio: Ateliê397


Este projeto foi financiado pelo IBT – Instituto Brasileiro de Teatro, com recursos de pessoas físicas e sem uso de leis de Incentivo à Cultura


O GATO MALHADO E A ANDORINHA SINHÁ

Temporada: de 28 de Maio a 17 de Junho

Horário: Sábados e Domingos, às 15h*

Local: Rua Augusta, 200, Consolação

Ingressos: Gratuito

Classificação: livre

Duração: 70 minutos


*Sessões extras nos dias 16 e 17 de junho | A apresentação do dia 19 de Junho será no Parque do Carmo, às 15h