Cia. Estrela D’Alva apresenta adaptação de conto de Dostoiévski

Peça “O Crocodilo” reflete sobre a ascensão do Capitalismo e o homem como uma vítima deste sistema


Foto: Sueli Almeida


A adaptação do conto fantástico de Dostoiévski conta a história de pessoas que, com a chegada do capital estrangeiro e a possibilidade de ascensão econômica, se desligam da organização coletiva para gerar lucro para outras pessoas, se engajando em um sistema que transita pela sedução e o aprisionamento.


Nesta metáfora, esses homens, mesmo que devorados por um crocodilo e tendo suas vidas devastadas, se satisfazem em viver sendo digeridos por esse grande animal, em uma nova organização de vida aparentemente satisfatória, porém limitada e castradora.


“O conto de Dostoiévski é um irresistível paralelo entre a chegada do progresso na Rússia no século XIX e o Brasil do século XXI, com a abrupta introdução dos modos de vida europeus, dando um salto na modernidade, porém formando estruturas que limitam o acesso a ela. Modernidade e capital que, vazios por dentro, fazem caber tudo que engolem”, comenta o grupo.


A Cia. Estrela D’Alva de Teatro, grupo de Santo André, realiza uma temporada de apresentações gratuitas do espetáculo nas cidades de Cubatão, Santo André e Suzano.


Foto: Sueli Almeida


Além das apresentações, o projeto cria espaços de encontro e formação com Oficinas de Teatro e Política ministradas por artistas que participaram do processo de criação do espetáculo, promovendo reflexões sobre o teatro como espaço para elaboração de filosofia política.


As ações realizadas em Santo André têm o apoio do Fundo de Cultura (2019) e Secretaria Municipal de Cultura de Santo André.


As ações em Cubatão e Suzano tem apoio do Edital PROAC Lab (Lei Aldir Blanc) 44/20210 da Secretaria de Estado da Cultura e Economia Criativa de São Paulo e Ministério do Turismo.


Ficha Técnica: Encenação, dramaturgia e atuação: Lígia Helena e Paulo Gircys | Trabalho de corpo e oficina: Carina Prestupa |Iluminação e Cenografia: Mauro Martorelli I Figurinos: Lídia Moura| Leitores provocadores e oficineiros: Judson Cabral, Marcio Castro, Michelle Lomba e Paula Carrara | Assessoria de Imprensa: Luciana Gandelini | Operação de som: Carolina Ferraresi | Apoio Técnico e de produção: Arthur Hideki



O CROCODILO


Temporada Cubatão


Apresentações: Dias 23 e 24 de Setembro

Horário: Sexta, às 20h | Sábado, às 11h

Local: Praça Coronel Joaquim Montenegro, 34, Largo do Sapo



Oficina “A Cenografia Metafórica, a construção da poética e da política através da imagem em cena”

Inscrições: Até 22 de Setembro | Enviar nome completo, idade e WhastApp para o e-mail ciaestreladalvadeteatro@gmail.com

Vagas: 30


Quando: 24 de setembro de 2022 (sábado)

Horário: 8h


Sinopse: No período da ditadura militar, uma geração de cenógrafos como Marcio Tadeu, Flávio Império, Gianni Ratto, José de Anchieta, Augusto Francisco entre outros, desenvolveu uma linguagem poética com a cenografia, traduzindo em imagens o que estava proibido de ser falado. O objetivo da oficina é refletir sobre como a cenografia pode contribuir na construção e ampliação do discurso político e social.


Coordenação: Mauro Martorelli


Temporada Santo André


Apresentações: Dias 06 e 07 de Outubro

Horários: Quinta, às 20h | Sexta, às 16h e 20h

Local: Rua Senador Fláquer, 110, Centro


Temporada Paranapiacaba


Dia: 08 de Outubro

Horário: 18h

Local: Rua da Estação, s/n°(Ao lado da bica d'água) - Vila de Paranapiacaba


Temporada Suzano


Apresentações: Dias 13 e 14 de Outubro

Horário: Quinta e Sexta-feira, às 20h

Local: Rua General Francisco Glicério, 1354



Oficina “As máscaras do bufão no pensamento do ator”


Inscrições: Acesse aqui


Quando: 14 de Outubro

Horário: 14h


Sinopse: Através de uma descoberta de si mesmo e do outro, estabelecem-se os primeiros contatos com a máscara do bufão, que ultrapassa os limites do cômico, pois toca em aspectos animalescos e terríveis do homem, aspectos trágicos. A oficina propõe vivências para o estudo do “bando”, do grotesco e da marginalidade. A potencialidade do bando de bufões que revela um aspecto irônico e crítico da sociedade.


Coordenação: Carina Prestupa