Cia Artera de Teatro comemora 18 anos com mostra de repertório LGBTQIAP+ online

Espetáculos e documentários estarão disponíveis no canal do YouTube da Companhia

Foto: Divulgação


A Cia. Artera de Teatro completa 18 anos de trajetória em 2022. E para comemorar realiza uma mostra de repertório no Mês do Orgulho LGBTQIAP+. A programação terá cinco peças diferentes, ficando disponíveis no canal do Youtube da companhia por 24 horas.


A mostra também fará a exibição de dois curtas documentários, que foram parte da pesquisa cênica do grupo. Todas as exibições serão gratuitas e para assistir é necessário se inscrever no canal. O projeto é realizado através do ProAc LAB. Clique aqui para fazer sua inscrição.


Programação


Dia 13 de Junho, às 20h

Curta: Monstro também têm sentimentos

Foto: Divulgação


É um subproduto de uma pesquisa do projeto teatral "Monstro" da Cia Artera de Teatro que estreia em Junho de 2021. A pesquisa compreende o registro de imagens e coleta de depoimentos de casais homoafetivos e pessoas que sofreram LGBTfobia. A ideia é trazer uma nova abordagem para o tema da adoção homoafetiva e a intolerância. Este processo de construção foi realizado através de uma chamamento público para pessoas interessadas em vivenciar uma experiência artística ligada à temática LGBT+ e plural.


Dia 14 de Junho, às 20h

Curta: No Sigilo

Foto: Divulgação


O curta discute a relação entre o risco e prazer com a prática do "barebacking" (sexo sem preservativo) e "bugchasing" (quando um homem saudável procura, deliberadamente, ter relações sexuais com outro homem HIV positivo, para ser infectado).


Dia 15 de Junho, às 20h

Monstro

Foto: Divulgação


(indicado ao prêmio APCA de melhor espetáculo) – A peça conta a história de Léo (interpretado por Ricardo Corrêa, que também assina a dramaturgia), professor de natação de uma escola infantil que decide se candidatar a adotar uma criança. Tudo vai bem, até acontecer uma situação na qual um de seus alunos de sete anos o chama de gay. Este professor, então, resolve falar abertamente sobre o que é ser gay, encorajando uma cultura de aceitação e inclusão entre os seus alunos. Elenco: Ricardo Corrêa. Participação: Rafael Salmona. Direção de Davi Reis.


Dia 16 de Junho, às 20h

Duas Cartas Para o Fim do Mundo

Foto: Divulgação


Propõe reflexões sobre a experiência afetiva partilhada no isolamento social por um casal de artistas gays da Cia. Artera de Teatro. Duas cartas-manifestos, como um (re)fluxo de pensamentos e de anseios neste momento pandêmico onde as perspectivas estão borradas. Dois lados, duas perspectivas, duas histórias que se complementam e que formam um corpo queer político. Esta criação conjunta também foi uma maneira encontrada pela dupla de criadores da Artera de coexistir e refletir o teatro durante a pandemia. Idealização: Cia Artera.


Dia 17 de Junho, às 20h

Bug Chaser - Coração Purpurinado

Foto: Divulgação


A Cia. Artera de Teatro discute a relação entre o risco e prazer com a prática do barebacking (sexo sem preservativo) e bugchasing (quando um homem saudável procura, deliberadamente, ter relações sexuais outro homem com HIV positivo para ser infectado). Mark está em uma quarentena sendo analisado por uma voz, um programa de inteligência artificial. Em fragmentos e saltos atemporais, a peça conta a saga desse homem, um advogado criminalista que busca se infectar propositalmente com o vírus HIV. Com Ricardo Corrêa e Leonardo Souza. Direção Davi Reis.


Dia 18 de Junho, às 20h

Coração Dark Room

Foto: Divulgação


A peça faz um mergulho na mente de um assassino em série. A peça conta a história de um garoto de programa perante a vida nos grandes centros urbanos. O serial killer se tornou um fenômeno atual. este assunto está em nosso imaginário coletivo, pois temos fascínio perante a morte, este espetáculo trata dos quartos escuros que temos dentro de nós. Concepção, texto e atuação: Ricardo Corrêa.


Dia 19 de Junho, às 21h*

Cam

Foto: Divulgação


A peça gira em torno de Brad, um camboy (interpretado por Davi Reis). Brad está em uma sala de chat e tem um encontro privativo com o público virtual. A performance interativa reflete a superexposição online, a pós-pornografia, o desejo por pixels, o vazio das relações pautadas nos padrões de beleza e o sexo como motor de uma busca desenfreada por tudo aquilo que sirva para aplacar a solidão. Através de números e jogos, um “camboy” exposto em seu “pay per view” de nudes, reflete sobre o corpo versus alma. Texto e Direção: Ricardo Corrêa.


*Espetáculo será exibido em uma conta privada no Instagram | Envie um email para ciaartera@gmail.com e reserve o seu ingresso




Sobre a Cia Artera de Teatro

Fundada em 2002 com o principal compromisso de apresentar um teatro como um exercício de reflexão e não apenas como forma de entretenimento. A Cia. é premiada em diversos festivais de teatro. Depois de anos de trabalho e mais experientes, novos encontros se deram e contribuíram para o amadurecimento estético da cia, geralmente existe um conjunto de assuntos que nós gostamos de tratar e que tem a ver normalmente com identidade, intolerância, preconceito e as minorias.