Arieta Corrêa, César Baptista e Rodrigo Fregnan em Círculo de Debates do CPT_SESC sobre Antígona

Com o espetáculo, o grupo reconfigurou os preceitos do gênero trágico a partir de recursos contemporâneos.


Arieta Corrêa Foto:Acervo Pessoal | César Baptista. Foto: Felipe Souza | Rodrigo Fregnan.Foto:Carlos Sales


O CPT_SESC realiza um debate sobre o espetáculo Antígona (2005). A programação integra o Círculo de Debates, do eixo Memória, Acervo e Pesquisa, e tem participação de Arieta Corrêa, César Baptista e Rodrigo Fregnan, com mediação de Emerson Danesi. Os participantes atuaram na peça, sob direção de Antunes Filho, e falam de suas experiências durante a montagem e apresentação do espetáculo. A transmissão é feita pelo canal do CPT_SESC no YouTube, com tradução em Libras.

Antígona é uma adaptação do texto homônimo de Sófocles de 442 a.C. e junta-se a Fragmentos Troianos (1999), Medéia (2000) e Medéia 2 (2001), cujos temas abordam a liberdade e como ela se relaciona com o instinto de sobrevivência, fechando a trilogia de Antunes para tragédias gregas.

À história de Antígona, que enfrenta a ira do rei Creonte para conseguir dar um enterro ao irmão Polinices, foram acrescidos outros personagens da mitologia, que surgiam das gavetas, nichos e portas criados no cenário de J.C. Serroni, que sugeria um cemitério vertical. Dentre essas figuras, estavam Baco e suas fiéis bacantes – que cumpriam a função de coro. Os ritos dionisíacos traziam a ideia de morte e renascimento, do mítico, do religar-se com o ancestral.

Com o espetáculo, o grupo reconfigurou os preceitos do gênero trágico a partir de recursos contemporâneos. Em especial, trouxe para a cena o “metateatro” (teatro dentro do teatro), o expressivo trabalho vocal e corporal dos atores e atrizes, o mergulho do universo feminino e a abordagem de questões contemporâneas por meio de textos clássicos, que marcou o “método” desenvolvido por Antunes Filho.

Antígona é o sexto espetáculo a integrar as Coleções e Acervos Históricos CPT_SESC, série de registros de figurinos, imagens de cena, materiais gráficos de montagens, entre outros itens do acervo, disponíveis na plataforma Sesc Digital com acesso gratuito. Lá o público já pode conferir as coleções de Medéia (2000) e Medéia 2 (2001), Fragmentos Troianos (1999), Xica da Silva (1988), A Hora e Vez de Augusto Matraga (1986) e A Pedra do Reino (2006).

CÍRCULO DE DEBATES – MEMÓRIA, ACERVO E PESQUISA: ANTÍGONA

18 de maio (terça-feira), às 18h no site do CPT Sesc

Com Arieta Corrêa, César Baptista e Rodrigo Fregnan

Apresentação e Mediação: Emerson Danesi

Classificação livre

Minibios dos convidados:

Arieta Corrêa é atriz, atuou por mais de 8 anos no CPT, sob a direção de Antunes Filho. Participou de mais de 30 peças de teatro. Dirigiu as peças Macbeth, Florbela e Rilke. É curadora, diretora e produtora do Festival Yesu Luso – Teatro em Língua Portuguesa.

César Baptista é diretor, dramaturgo, roteirista, ator e professor. Mestre em Artes Cênicas pela Universidade de São Paulo. Trabalhou no CPT, como ator e assistente de direção de Antunes Filho, professor no CPTzinho e coordenador do Círculo de Dramaturgia. Foi assistente de direção de Gabriel Villela e de Jorge Takla. Dramaturgista de A Última Dança (2016-2020). Trabalhou no Núcleo de Dramaturgia do SESI, SP Escola de Teatro, MT Escola de Teatro-UNEMAT, no projeto Fábricas de Cultura e no Studio Fátima Toledo.  Colaborou como crítico teatral para o jornal O Estado de S. Paulo. Atualmente, é professor substituto do Instituto de Artes da UNESP.

Rodrigo Fregnan é ator, formado pelo CPT, onde trabalhou por quatro anos com destaque para o papel de Rei Creonte, em Antígona. Atuou em peças com direção de Gabriel Villela, Alvise Camozzi, Marco Antônio Braz, Yara de Novaes, Eric Lenate, Breno Silveira, entre outros. Atuou em longa-metragens e séries de TV, como Onde Está Meu Coração produzida pela rede Globo. Em 2017 e 2018, atuou no espetáculo 2 Filhos de Francisco - O Musical, como protagonista.

Sobre as Coleções e Acervos Históricos CPT_SESC

As Coleções e Acervos Históricos CPT_SESC trazem ao público seleções dos figurinos e outros itens de peças encenadas pelo CPT em seus 38 anos de trajetória. Um minucioso trabalho de pesquisa possibilitou a recomposição e restauro de 150 trajes cênicos compostos por 470 itens, de 12 espetáculos: A hora e vez de Augusto Matraga, Antígona, Foi Carmen, Fragmentos Troianos, Gilgamesh, Medeia, Medeia 2, Nossa Cidade, Toda Nudez Será Castigada, Trono de Sangue, Pedra do Reino, Vereda da Salvação e Xica da Silva. Em seguida, os figurinos foram registrados pelo fotógrafo Bob Sousa, fotos essas que são hoje o fio condutor das Coleções.

Sobre o Sesc Memórias

Implantado e coordenado pela Gerência de Estudos e Desenvolvimento do Sesc São Paulo, o Sesc Memórias é um programa que desde 2006 atua na coleta, higienização, organização, guarda e disponibilização da documentação produzida pela instituição, com o propósito de preservar e difundir suas memórias. Integram seu acervo registros produzidos desde a criação do Sesc, em 1946. São diversos gêneros, suportes e formatos de documentos que assinalam a ação finalística da instituição e seus processos de trabalho, como materiais de divulgação, fotografias, produtos institucionais, projetos programáticos, relatórios, entre outros. Seu acervo contribui para a reflexão acerca do trabalho desenvolvido pela instituição, bem como para a promoção de pesquisas e de produção de conhecimentos, na medida em que é acessível ao público interno e externo, reforçando a memória como um valor a ser cultivado.

Sobre o CPT_SESC

O Centro de Pesquisa Teatral foi criado em 1982 como laboratório permanente de criações teatrais, formação de atrizes, atores, dramaturgas e dramaturgos. Ao longo das décadas, ganhou reconhecimento da crítica e de seus pares no Brasil e em outras partes do mundo como referência no fazer teatral. Foi coordenado por Antunes Filho por 37 anos. Em 2020, passado um ano da morte do diretor, o CPT expandiu suas ações em busca do constante desenvolvimento que o teatro contemporâneo exige, mantendo o diálogo com o seu legado.

Em tempos de distanciamento social, a programação do CPT_SESC acontece on-line, ampliando o acesso ao Centro que é referência da área teatral, formou mais de mil profissionais das artes cênicas e criou dezenas de espetáculos.

A programação apresenta ciclos de debates, mostras virtuais, cursos, podcasts, oficinas, entre outras atividades, com artistas e técnicos de diversas formações e instâncias da produção teatral, a fim de buscar a realização de um trabalho interdisciplinar a que sempre se propôs o CPT_SESC.